Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Carta Fora Da Manga

Um espaço de coisas para dactilografar e hiperligar a gosto.

Carta Fora Da Manga

Um espaço de coisas para dactilografar e hiperligar a gosto.

Para Onde Vão Os Guarda-Chuvas

Screenshot 2019-02-15 at 17.49.48.png

 

 

Começo por fazer uma declaração de intenções:

 

Queria tanto ter gostado mais de ler Para Onde Vão Os Guarda-Chuvas.

Espero sempre que um livro do Afonso Cruz me dê mais do que aquilo com que fiquei depois de ler o Guarda-Chuvas.

 

O Afonso é um escritor com uma imaginação e relação com a escrita invejável.

Sabe usar metáforas de uma forma tão bonita, tem frases lindíssimas que ficam na retina e me fazem sempre pensar : 

"- Tao simples, tão bonito... Porque é que eu não pensei nisto desta forma antes?!" 

 

A escrita do Afonso consegue ser maravilhosa a espaços muito regulares, e chega a ser extravagante até.

 

Infelizmente no Guarda-Chuvas tudo isso não me chegou.

 

Nenhuma das personagens me fascinou e não achei o tema interessante.

Quando finalmente foi inserida a questão dos Guarda-Chuvas, senti também que a ligação entre o título e a narrativa foi forçada.

 

No entanto, sendo um livro escrito por alguém com tanto talento consigo facilmente perceber que existam muitos leitores que adorem o Guarda-Chuvas, e que para estes o livro seja muito bom.

 

Sei que a minha opinião destoa da maioria pelo que fui lendo no Goodreads, pena que para mim não tenha sido também o caso.

Provavelmente fui eu que não tive sensibilidade suficiente para apreciar a beleza do livro, como muitas vezes ]me[ acontece.

Nem sempre os livros se relacionam connosco nem nós com eles, por melhores que eles e nós sejamos como livros e leitores. 

 

Estranhei sempre as histórias do livro; nunca se entranharam como algo bonito de ler.

 

“- Como não falas, ouves mais. Isso é que faz a sabedoria. Os homens deviam ser mudos até certa altura e depois rebentavam. Seria uma coisa ensurdecedora. Um homem explodir toda a sabedoria que havia acumulado durante uma vida.” (Pág. 154).

 

Creio que não tenho expectativas altas antes de ler um livro do Afonso, sei bem que tenho com os seus livros uma relação de altos e médios: já gostei muito de alguns dos seus livros e já achei alguns livros razoáveis.

 

Também tenho dizer que não gostei das ilustrações, mas se calhar isso já sou eu a embirrar.

 

Vou agora procurar mais um livro dele para ler, que ainda devo ter muitas coisas boas dele para encontrar!

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.