Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Carta Fora Da Manga

Um espaço de coisas para dactilografar e hiperligar a gosto.

Carta Fora Da Manga

Um espaço de coisas para dactilografar e hiperligar a gosto.

Notorious RBG

rbg.jpg

 

 
 
Tive que partilhar este documentário.
 
 
Foi a melhor coisa que vi este ano.
 
 
Justice Ruth Bader Ginsburg, agora com 85 anos, é uma figura de quem eu já tinha ouvido falar, mas não sabia praticamente nada sobre ela.
Nomeada por Clinton para o cargo juíza do Supremo Tribunal dos EUA, foi uma das primeiríssimas juízas a atingir o mesmo.
 
 
To put women on exactly the same plane as men.
 
 
Defensora da igualdade entre homens e mulheres, por uma sociedade não discriminatória entre sexos, tem tornado-se um ícone entre os mais novos com as suas posições sociais, palestras, conferências, o que levou a que a sua cara apareça agora em canecas, t-shirts e toda uma parafernália de merchandise juntamente com uma nova alcunha: Notorious RBG.
 
 
Através de entrevistas íntimas com familiares, colegas e também com Ginsburg, ficamos a saber quem é a mulher antes da juíza, de onde vem e qual o seu trajecto, o que leva a que com o passar do documentário já não consigamos bem fazer essa distinção.
 
 
É também uma homenagem ao sonho americano.
De como alguém de origens não abastadas ]não percebi exactamente como era a sua realidade económica[ em Brooklyn, perdeu a mãe aos 17, estudou em Harvard já casada, com um filho e um marido que entretanto adoeceu e mesmo assim chegou ao ponto mais alto da justiça nos EUA.
 
 
Liberal hero, Ruth Bader Ginsburg.
 
 
Claro que maioritariamente só vemos e ouvimos vozes de quem se revê nas posições de Ginsburg, mas para mim isso vai de encontro do que eu esperaria de um documentário deste género.
Especialmente porque me revi nas várias posições tomadas por Ginsburg não levei isso nada a mal, ahah.
 
 
Saber quem é esta senhora é obrigatório para se interessa pela luta por igualdade entre géneros.
Mesmo para quem não vive nos EUA.
Isto porque os avanços e recuos que acontecem nos EUA chegam sempre a este lado do Atlântico e nos fazem no mínimo falar sobre eles, e esta juíza foi muito importante nesta luta.
 
 
Ginsburg foi sem dúvida um marco na luta pela igualdade de géneros, tanto pelos casos que ganhou no Supremo Tribunal como pelas posições que posteriormente apoiou e até das que discordou.
 
 
Resumindo: adorei este olhar sobre Ginsburg.
 
Merecidademente está nomeado para o Óscar de Melhor Documentário.
 
 
Fica a dica.
 
 
 
She's not done fighting.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    André 13.02.2019

    Depois diz o que achaste :)
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.